Biblioteca Virtual
Envie sua mensagem para a Biblioteca Virtual
Fale Conosco
Conheça a Biblioteca Virtual e saiba o que podemos fazer por você
Quem Somos

Especial: DADOS E FATOS SOBRE SÃO PAULO [04/2012]

Tamanho do texto   A A A

Índice desse especial
O território
Os municípios mais recentes
Os municípios mais antigos
A população
Hidrografia
Transportes
Saiba mais
Fontes de referência

O território

O Estado de São Paulo possui 645 municípios espalhados por uma área territorial de 248.209,3 km², o que representa 2,91% do território brasileiro. Em comparação com todas as unidades federativas, São Paulo é o 12º maior em área. No entanto, é dono da maior população do país, estimada em 41.692.668 habitantes (2011), dos quais 95,94% vivem em áreas urbanas. A densidade demográfica é de 167,97 habitantes por km², a terceira maior do país - menor apenas que o Rio de Janeiro e o Distrito Federal.

Os municípios paulistas estão organizados, segundo a legislação estadual vigente, em 42 regiões de governo, 14 regiões administrativas e 4 regiões metropolitanas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que possui uma metodologia própria de organização territorial, o Estado é dividido em 15 mesorregiões geográficas, que, por sua vez, dividem-se em 63 microrregiões geográficas.

Complicado? Explicamos como funciona cada uma dessas divisões territoriais:

- Municípios: administrados por um poder executivo municipal, as prefeituras, são instituídos conforme a Constituição Federal e Estadual. A Lei Complementar nº 651/1990, estabelece condições para a criação de novos municípios;

 



Divisão municipal de São Paulo (fonte: Wikipédia)

 

- Regiões administrativas e de governo: com o intuito de identificar conjuntos de cidades que compartilham características semelhantes, padrões de polarização e hierarquia funcional, o Poder Executivo do Governo do Estado de São Paulo estabeleceu a sua própria organização dos municípios. A primeira divisão regional foi estabelecida em 1967 através do Decreto nº 48.162, com a criação de 11 regiões e 48 sub-regiões administrativas. Mais tarde, o Decreto nº 22.970, de 29/11/1984, criou as 42 regiões de governo que conhecemos hoje. A compatibilização das duas estruturas (regiões administrativas e de governo) ocorreu com a publicação do Decreto nº 26.581, em 1987, e com a criação das regiões administrativas Central, de Barretos e de Franca (Decreto nº 32.141, em 1990);

- Regiões metropolitanas: o artigo 153 da Constituição Estadual define como região metropolitana “o agrupamento de Municípios limítrofes que assuma destacada expressão nacional, em razão de elevada densidade demográfica, significativa conurbação e de funções urbanas e regionais com alto grau de diversidade, especialização e integração sócio-econômica, exigindo planejamento integrado e ação conjunta permanente dos entes públicos nela atuantes”. Atualmente, o estado possui 4 regiões metropolitanas: Baixada Santista, Campinas, São Paulo e Vale do Paraíba e Litoral Norte;

- Mesorregiões: divisão criada pelo IBGE, são áreas individualizadas em uma unidade da federação que apresentam formas de organização do espaço geográfico em três dimensões: o processo social, como determinante; o quadro natural, como condicionante; e a rede de comunicação e de lugares, como elemento de articulação espacial. O espaço delimitado da mesorregião tem, assim, uma identidade regional específica. São exemplos de mesorregiões: Litoral Sul Paulista, Triângulo Mineiro, Campanha Gaúcha, Vale do Itajaí, Pantanal Matogrossense. O IBGE divide o território paulista em 15 mesorregiões geográficas;

- Microrregiões: são definidas como partes das mesorregiões que apresentam especificidades quanto à organização do espaço. Elas se referem às estruturas da produção agropecuária, industrial, ao extrativismo mineral ou à pesca que podem resultar de elementos do quadro natural ou de relações socioeconômicas. São exemplos de microrregiões as serras úmidas nas áreas sertanejas ou a predominância de mão-de-obra não remunerada numa determinada área. O IBGE divide o território paulista em 63 microrregiões geográficas.

 

AS 10 MAIORES CIDADES EM ÁREA TERRITORIAL (EM KM²)

- Iguape - 1.980,92
- Itapeva - 1.826,75
- Itapetininga - 1.792,08
- Eldorado - 1.656,73
- Capão Bonito - 1.641,04
- Rancharia - 1.584,73
- Barretos - 1.563,61
- Teodoro Sampaio - 1.556,67
- São Paulo - 1.522,99
- Botucatu - 1.482,87

 

AS 10 MENORES CIDADES EM ÁREA TERRITORIAL (EM KM²)

- Águas de São Pedro - 3,64
- São Caetano do Sul - 15,36
- Poá - 17,18
- Jandira - 17,52
- Taboão da Serra - 20,48
- Ferraz de Vasconcelos - 30,07
- Diadema - 30,65
- Vargem Grande Paulista - 33,51
- Nova Guataporanga - 34,12
- Várzea Paulista - 34,63

 

AS 42 REGIÕES DE GOVERNO

Adamantina, Andradina, Araçatuba, Araraquara, Assis, Avaré, Barretos, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Caraguatatuba, Catanduva, Cruzeiro, Dracena, Fernandópolis, Franca, Guaratinguetá, Itapetininga, Itapeva, Jales, Jaú, Jundiaí, Limeira, Lins, Marília, Ourinhos, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santos, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sorocaba, Taubaté, Tupã, Votuporanga.

 

AS 14 REGIÕES ADMINISTRATIVAS

Araçatuba, Barretos, Bauru, Campinas, Central (engloba as regiões de governo de Araraquara e São Carlos), Franca, Marília, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sorocaba.

 

AS 4 REGIÕES METROPOLITANAS

- Região Metropolitana da Baixada Santista

Possui 9 municípios e uma população de 1.683.725 habitantes vivendo numa área de 2.422,78 km² (menos de 1% de todo o território do Estado). Além das suas praias, que atrai milhares de turistas durante as temporadas de verão e feriados prolongados, a região é um importante pólo industrial consolidado, com destaque para a cidade de Cubatão, e um pólo petrolífero promissor graças à área do pré-sal. Com 13 km de cais e por volta de 500 mil m² de armazéns, o Porto de Santos é o maior e mais importante complexo portuário da América do Sul.

 

- Região Metropolitana de Campinas

Possui 19 municípios espalhados por um território de 3.645,67 km² e uma população estimada em 2.845.035 habitantes. Essa região é caracterizada por um complexo industrial moderno, com uma forte atuação de empresas e centros de pesquisas científicas e tecnológicas avançadas. A agroindústria e a produção agrícola também possuem um importante papel econômico na região.

 

- Região Metropolitana de São Paulo

Com 39 municípios e 7.943,82 km² de área territorial, a região conhecida popularmente como “Grande São Paulo” possui uma população de 19.867.456 habitantes. Ou seja, um - em cada dez brasileiros - vive nessa região. Responsável pela geração de 56,5% de todo o PIB (Produto Interno Bruto) do Estado de São Paulo, é o principal centro financeiro da América Latina e a capital sulamericana de feiras e negócios - a capital paulista realiza 90 mil eventos anualmente.

 

- Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte

Essa é a mais nova região metropolitana do Estado de São Paulo. Criada em 9 de janeiro de 2012 (Lei Complementar nº 1.166), possui 39 municípios e uma população de 2.292.055 habitantes. A região tem um importante valor histórico e cultural, além de possuir um importante pólo industrial e tecnológico.

 



Regiões Metropolitanas de São Paulo (fonte: Wikipédia)

 

AS "GRANDES" REGIÕES DO ESTADO

O conjunto formado pelas regiões metropolitanas e aglomerações urbanas do Estado compreende 151 municípios, que respondiam por 78% da população estadual em 2009.

 

OS PONTOS MAIS ALTOS

Segundo o Projeto Pontos Culminantes do Brasil, realizado pelo IBGE em parceria com o Instituto Militar de Engenharia, e divulgado no Anuário Estatístico do Brasil 2010, as maiores altitudes encontradas no Estado de São Paulo são:

- Pico da Pedra da Mina, na Serra da Mantiqueira - 2.798,4 m
- Pico Três Estados, na Serra da Mantiqueira - 2.665,0 m
- Morro do Tartarugão, na Serra da Mantiqueira - 2.595,0 m
- Pico dos Marins, na Serra da Mantiqueira - 2.420,7 m
- Alto Capim Amarelo, na Serra da Mantiqueira - 2.392,0 m
- Pico Itaguaré, na Serra da Mantiqueira - 2.308,0 m
- Pedra Alta, na Serra da Bocaina - 2.095,0 m
- Morro Tira Chapéu, na Serra Pedra Azul - 2.088,0 m
- Pedra do Selado, na Serra da Mantiqueira - 2.082,0 m

 

A CIDADE MAIS ALTA DO ESTADO

Campos do Jordão, localizada no alto da Serra da Mantiqueira, no Vale do Paraíba, é considerada a cidade mais alta do Brasil. Conhecida como a “Suíça Brasileira”, sua altitude média de 1.628 metros acima do mar também a coloca no topo do ranking das temperaturas mais frias do país.

 

OS LIMITES NATURAIS

Os marcos naturais que limitam o território do Estado de São Paulo são:

- o Rio Grande, ao norte, em uma extensão de 590 km de divisa;
- o Rio Canoas, ao norte e nordeste, em 40 km de extensão;
- a Serra da Mantiqueira, a leste, em 70 km, e a Serra do Mar, em 50 km;
- a Serra do Taquari, ao sul, em 40 km, o Rio Pardo, em 80 km, o Rio da Ribeira, em 80 km, e o Rio Itapirapuã, em 40 km;
- o Oceano Atlântico, ao sul e a sudeste, em 622 km;
- o Rio Itararé, ainda a sudeste, em 210 km;
- o Rio Paranapanema, a sudoeste, em 440 km;
- o Rio Paraná, a oeste e a noroeste, em 410 km.

A extensão da linha divisória do Estado de São Paulo com o Oceano Atlântico é de 733,91 km.

 

Os municípios mais recentes

Os anos 90 assistiram a um intenso processo de emancipação municipal em todo país. Entre os anos de 1990 e 2000, surgiram 1.016 novos municípios (um aumento de 22,6% no número de municípios brasileiros existentes). Esse crescimento explica-se, principalmente, pelo novo contexto de redemocratização política do país e de reforma do Estado, expresso pela Constituição de 1988.

No estado de São Paulo, o processo emancipatório apresenta as mesmas tendências verificadas nacionalmente. De 1990 a 1995, foram criados 73 novos municípios paulistas.

Os últimos municípios paulistas foram criados por força da Lei Estadual nº 9.330, de 27 de dezembro de 1995. Esses municípios são:

- Fernão (Região de Marília, 1.575 habitantes)
- Gavião Peixoto (Região de Araraquara, 4.446 habitantes)
- Jumirim (Região de Sorocaba, 2.861 habitantes)
- Nantes (Região de Presidente Prudente, 2.750 habitantes)
- Nova Castilho (Região de Araçatuba, 1.138 habitantes)
- Ouroeste (Região de Fernadópolis, 8.631 habitantes)
- Paulistânia (Região de Bauru, 1.779 habitantes)
- Ribeirão dos Índios (Região de Presidente Prudente, 2.184 habitantes)
- Trabiju (Região de Araraquara, 1.560 habitantes)

 

Os municípios mais antigos

A ordem desta relação está seguindo o critério da data da criação da vila (o que equivale ao que consideramos, atualmente, o município), e não à datação da fundação ou formação do povoamento da localidade, muitas vezes mais considerada pela própria cidade como oficial de fato.

É difícil especificar com exatidão quando as cidades surgiram e quando elas tornaram-se “oficiais”, por conta de controvérsias históricas sobre suas origens e pelos diversos momentos que constituem a formação de um núcleo de habitantes (de simples povoado até a elevação como vila).

Por exemplo: Itanhaém tem com data oficial de fundação o dia 22 de abril de 1532, associada à figura de Martim Afonso de Souza, fundador de São Vicente. Porém, outra vertente histórica acredita que seu início tenha sido em 1549, quando foi criada a freguesia, então parte da Vila da São Vicente. O título de vila veio mesmo só em 1561. Iguape, por sua vez, estabeleceu oficialmente a sua fundação como tendo sido em 3 de dezembro de 1538. Isso ocorreu em 1938, após estudos realizados por historiadores a respeito do início de sua povoação, cuja data exata é desconhecida. Poderia muito bem figurar no nosso ranking, porém sua elevação à vila ocorreu somente em 1635.

Se considerarmos as datas do início do povoamento, Cananéia sairia na frente até mesmo de São Vicente, sempre considerada a cidade mais antiga de São Paulo. Mas como estamos levando em conta a data da elevação à vila (ou seja, a um município), a ordem segue dessa forma:

- São Vicente
Criação da vila: 1532
Fundação histórica ou presumida: 1532

- Santos
Criação da vila: 1545 ou 1546
Fundação histórica ou presumida: 1543

- São Paulo
Criação da vila: 1560
Fundação histórica ou presumida: 1554

- Itanhaém
Criação da vila: 1561
Fundação histórica ou presumida: 1532

- Cananéia
Criação da vila: 1600
Fundação histórica ou presumida: 1531

 

A população

O Estado de São Paulo possui a maior população do Brasil. São 41.692.668 habitantes, de acordo com as estimativas de 2011. Para se ter uma dimensão da grandiosidade desse número, temos mais pessoas morando nas cidades paulistas do que nos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais juntos. A população de São Paulo é equivalente a da Argentina (42.192.494) e maior que muitos países do mundo, como o Canadá (34.300.083) e Austrália (22.015.576).

São Paulo tem um perfil bastante urbano - 95,94% das pessoas vivem nas cidades e apenas 4,06% em zonas rurais. Na análise dos dados mais recentes, também fica evidente a tendência de envelhecimento da população paulista. Em 2005, a população com menos de 15 anos representava 23,87% e a população com 60 anos ou mais era de 10,2%. Em 2011, os números mostram que a população com menos de 15 anos reduziu para 21,48%, enquanto que a população com 60 anos ou mais recrudesceu para 11,55%.

A população feminina representa a maior parcela da população. São 21.402.452 mulheres e 20.290.216 homens. Analisando os dados populacionais mais recentes, observa-se que há mais homens do que mulheres nas faixas etárias mais jovens. De acordo com a ferramenta de Projeções Populacionais da Fundação SEADE, a população masculina é discretamente maior na faixa etária de 0 a 24 anos. No entanto, a situação se inverte nas faixas etárias mais velhas chegando a três homens para cada cinco mulheres na faixa etária de 75 anos ou mais.

A densidade domiciliar em São Paulo (3,22 habitantes por domicílio) assemelha-se à média nacional (3,33) e ao conjunto dos demais Estados (3,36). A participação de domicílios com até três moradores foi maior em São Paulo do que nos demais Estados, enquanto a daqueles com mais de cinco moradores foi menor. Expressiva, também, foi a proporção de domicílios com apenas um morador (12,3%), tanto em São Paulo quanto no país.

No Censo de 2010, 63,9% dos habitantes paulistas se declararam brancos, 29,1% pardos, 5,5% pretos, 1,4% amarelos e 0,1% indígenas. Apenas 5,1% da população indígena brasileira reside em São Paulo.

 

AS CIDADES MAIS POPULOSAS (NÚMERO DE HABITANTES EM 2011)

- São Paulo - 11.337.021
- Guarulhos - 1.236.884
- Campinas - 1.090.915
- São Bernardo do Campo - 771.543
- Santo André - 678.957
- Osasco - 668.128
- São José dos Campos - 638.990
- Ribeirão Preto - 614.759
- Sorocaba - 596.060
- Mauá - 422.398

 

AS CIDADES MENOS POPULOSAS (NÚMERO DE HABITANTES EM 2011)

- Borá - 806
- Nova Castilho - 1.138
- Uru - 1.238
- Santa Salete - 1.453
- Trabiju - 1.560
- Fernão - 1.575
- Santana da Ponte Pensa - 1.619
- União Paulista - 1.624
- Dirce Reis - 1.694
- Flora Rica - 1.717

 

AS CIDADES COM MAIOR DENSIDADE DEMOGRÁFICA (HABITANTES/KM²)

- Diadema - 12.688,35
- Taboão da Serra - 12.175,44
- Carapicuíba - 10.637,98
- Osasco - 10.288,39
- São Caetano do Sul - 9.722,79
- São Paulo - 7.443,92
- Mauá - 6.781,15
- Jandira - 6.280,02
- Poá - 6.229,10
- Ferras de Vasconcelos - 5.684,97

 

AS CIDADES COM MENOR DENSIDADE DEMOGRÁFICA (HABITANTES/KM²)

- Iporanga - 3,69
- Marabá Paulista - 5,37
- Lutécia - 5,68
- Santo Antônio do Aracanguá - 5,89
- Nova Castilho - 6,19
- Borebi - 6,69
- Borá - 6,79
- Paulistânia - 6,93
- São José do Barreiro - 7.14
- Arco Íris - 7,24

 

LOCALIDADES ONDE A POPULAÇÃO DE HOMENS É MAIOR (NÚMERO DE HOMENS PARA CADA 100 MULHERES)

- Balbinos - 420,87
- Pracinha - 264,99
- Lavínia - 235,93
- Iaras - 191,78
- Reginópolis - 176,31
- Álvaro de Carvalho - 174,71
- Marabá Paulista - 172,11
- Guareí - 157,83
- Serra Azul - 156,15
- Itirapina - 143,57

 

LOCALIDADES ONDE A POPULAÇÃO DE HOMENS É MENOR (NÚMERO DE HOMENS PARA CADA 100 MULHERES)

- Santos - 84,37
- São Caetano do Sul - 85,64
- Águas de São Pedro - 87,28
- São Paulo - 89,95
- Taboão da Serra - 91,6
- Oscar Bressane - 92,12
- Santo André - 92,2
- Ribeirão Preto - 92,27
- São José do Rio Preto - 92,36
- São Vicente - 92,42

 

Hidrografia

A bacia hidrográfica, ou bacia de drenagem, pode ser entendida como uma área da superfície terreste onde ocorre a captação de água por um rio principal e os seus respectivos afluentes.

De acordo com a Resolução nº 32/2003 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, órgão máximo do Sistema Nacional de Gerenciamentos de Recursos Hídricos, o Brasil está dividido em 12 regiões hidrográficas. São Paulo está localizado nas seguintes bacias hidrográficas:

- Paraná: com 879.860 km² de área (10,33% do território brasileiro), tem como principais rios paulistas o Tietê e o Paranapanema.

O Rio Tietê é o principal rio do Estado e tem 1.136 km de extensão. Nasce muito próximo ao oceano, a apenas 22 km do litoral, mas o relevo característico da Serra do Mar, em Salesópolis, o leva em direção ao interior, passando pela Região Metropolitana de São Paulo, até desaguar no Rio Paraná. Historicamente, foi o caminho utilizado pelos bandeirantes na exploração e povoamento do interior brasileiro.

Divisor natural dos territórios do estado de São Paulo e Paraná, o Rio Paranapanema possui 929 km de extensão. É um importante produtor de energia da região - há oito usinas hidrelétricas operando na região.

- Atlântico Sudeste: com 229.972 km² (2,7% do território brasileiro), tem como principais rios paulistas o Paraíba do Sul e o Ribeira de Iguape.

O Rio Paraíba do Sul surge com a confluência dos rios Paraitinga e Paraibuna e segue pelo Vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro e Minas Gerais, formando um limite natural entre esses dois estados. Ao todo, são 1.120km de extensão.

O Rio Ribeira de Iguape tem 470 km. Nasce próximo à divisa do Paraná e segue por importantes faixas remanescentes de Mata Atlântica que, no passado, se estendia por quase todo o litoral brasileiro. Nas suas margens, vivem pequenos agricultores, quilombolas e comunidades indígenas.

 



Regiões hidrográficas de São Paulo (fonte: SIGRH)

 

OUTROS RIOS IMPORTANTES DE SÃO PAULO

São eles: Rio Turvo, Rio Piracicaba, Rio do Peixe, Rio Aguapeí, Rio Sorocaba e Mogi-Guaçu.

 

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Ao todo são 26 sistemas integrados no Estado que envolvem 71 municípios. A SABESP - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo é responsável pela operação dos serviços de abastecimento de água em 366 municípios.

Especificamente na Região Metropolitana de São Paulo, 31 dos 39 municípios pertencem ao Sistema Integrado de Abastecimento de Água operado pela SABESP. A RM de São Paulo localiza-se nas cabeceiras da bacia do rio Tietê, uma região de baixa disponibilidade hídrica, que exige importar 32,3 m³/s de bacias hidrográficas adjacentes. Quase a totalidade das demandas atuais de abastecimento de água é atendida pelo Sistema da Sabesp (oito sistemas produtores de água), que possui capacidade nominal de 68,2 m³/s.

 

Transportes

RODOVIAS

São Paulo possui uma das maiores malhas rodoviárias do Brasil. Segundo os dados mais recentes da pesquisa sobre extensão da malha rodoviária, São Paulo possui 198.877 quilômetros distribuídos da seguinte forma:

- 15.578 km administrados pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo (DER-SP);
- 6.421 km administrados através de concessão;
- 1.055 km de rodovias federais;
- 175.822 km de estradas municipais.

São Paulo é o estado com a maior frota de veículos. De acordo com os dados de 2009, são 19.139.118 veículos emplacados, o que representa cerca de um terço de toda a frota nacional (59.361.642). Os automóveis representam a maioria absoluta da frota paulista (12.536.177).

 

TRAVESSIAS LITORÂNEAS

O litoral de São Paulo conta com oito travessias por balsa:

- São Sebastião - Ilha Bela;
- Santos - Guarujá;
- Santos - Vicente de Carvalho;
- Guarujá - Bertioga;
- Iguape - Juréia;
- Cananéia - Continente;
- Cananéia - Ilha Comprida;
- Cananéia - Ariri.

Em 2011, foram transportados pelas balsas 11.232.806 veículos, 4.861.637 bicicletas e 7.814.088 pedestres segundo dados do Desenvolvimento Rodoviário S.A. (DERSA), empresa responsável por esse sistema de transporte.

 

PORTOS

No Brasil, há 34 portos públicos marítimos responsáveis pela importação e exportação de produtos. O setor portuário brasileiro movimenta, a cada ano, por volta de 700 milhões de toneladas em mercadorias, o que representa mais de 90% das exportações. Em São Paulo, funcionam dois portos:

- Porto de Santos

Inaugurado em 1892, é gerido pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (CODESP), sociedade de economia mista criada pelo Governo Federal. Em 2010, foi responsável por 25,1% da participação na Balança Comercial Brasileira, movimentando US$ 96,2 bilhões.

- Porto de São Sebastião

É administrado pela Companhia Docas de São Sebastião, empresa vinculada à Secretaria de Estado de Transportes de São Paulo.

Os principais produtos de importação: barrilha, sulfato de sódio, malte, cevada, trigo, produtos siderúrgicos, máquinas e equipamentos, bobinas de fio de aço e cargas gerais. Exportação: veículos, peças, máquinas e equipamentos, virtualhas, produtos siderúrgicos e cargas gerais.

 

AEROPORTOS

São Paulo possui 36 aeroportos, que são assim administrados:

- 31 pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (DAESP), todos no interior do estado. Em fevereiro de 2012, foram responsáveis pelo atendimento de 433.953 passageiros. Os aeroportos estaduais mais movimentados ficam em Ribeirão Preto e São José do Rio Preto;

- 5 pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO), Internacional de Viracopos/Campinas, Internacional de São Paulo/Guarulhos, São José dos Campos, Campo de Marte e São Paulo/Congonhas. Em fevereiro de 2012, esses aeroportos foram responsáveis pelo atendimento de 9.496.846 passageiros.

 

TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

A Hidrovia Tietê-Paraná possui 2.400 km de vias navegáveis e conecta o interior de São Paulo aos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Góias, além do Paraguai - local onde começa a hidrovia, na região da Usina Hidrelétrica de Itaipu, o que justifica o seu apelido de “Hidrovia do Mercosul”. Esse é um canal estratégico de escoamento da produção agrícola brasileira, principalmente para a exportação internacional pelos portos de Santos e São Sebastião.

No trecho paulista, a hidrovia possui 800 km de vias navegáveis, 19 estaleiros e 30 terminais intermodais de carga. Além da função de transporte, a Hidrovia Tietê-Paraná é bastante utilizada para fins turísticos.

 

Saiba mais

A Biblioteca Virtual possui outros conteúdos interessantes sobre o Estado de São Paulo. Para descobrir mais informações interessantes sobre o nosso estado, sugerimos que consulte os links que indicamos logo abaixo:

Geografia do Estado de São Paulo
http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/saopaulo-geografia.php

Governadores do Estado
http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/saopaulo-governadores.php

Cultura e Folclore Paulista
http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/especial/201008-folclore.php

 

FONTES DE REFERÊNCIA

A lista abaixo é uma relação de sites, artigos e bases de dados que foram consultados para desenvolver esse trabalho. Sugerimos que visite os links do seu interesse caso queira se aprofundar nos assuntos abordados.

Atlas de Abastecimento Urbano de Água - Agência Nacional de Águas
http://atlas.ana.gov.br/Atlas/forms/Home.aspx

CIA - The World Factbook
https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/index.html

Cidade de São Paulo - São Paulo em Números
http://www.cidadedesaopaulo.com/sp/br/sao-paulo-em-numeros

Constituição do Estado de São Paulo
http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/constituicao/1989/constituicao%20de%2005.10.1989.htm#titulo4

DER-SP - Evolução da Malha Rodoviária
http://www.der.sp.gov.br/website/Malha/malha_evolucao.aspx

EMPLASA - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano
http://www.emplasa.sp.gov.br/emplasa/gsp/gsp.asp

EMPLASA - Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte
http://www.emplasa.sp.gov.br/emplasa/conselhos/ValeParaiba/conselhos.asp

EMPLASA - Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte - Publicação em PDF
http://www.emplasa.sp.gov.br/emplasa/conselhos/ValeParaiba/textos/livro_vale.pdf

EMPLASA - Regiões Metropolitanas do Brasil
http://www.emplasa.sp.gov.br/emplasa/Brasil/Brasil.asp

Fundação SEADE - Anuário Estatístico do Estado de São Paulo
http://www.seade.gov.br/produtos/anuario/

Fundação SEADE - Anuário Estatístico do Estado de São Paulo - Introdução (2003)
http://www.seade.gov.br/produtos/anuario/2003/1_intro.pdf

Fundação SEADE - Perfil do Estado de São Paulo
http://www.seade.sp.gov.br/produtos/perfil_estado/

Fundação SEADE - Projeções Populacionais
http://www.seade.sp.gov.br/produtos/projpop/index.php

Fundação SEADE - Rede Urbana e Regionalização do Estado de São Paulo
http://www.seade.sp.gov.br/produtos/publicacoes/pub_RedeUrbanaRegionalizacaoESP_2011.pdf

Fundação SEADE - Retratos de São Paulo
http://www.seade.sp.gov.br/produtos/retratosdesp/

IBGE - Anuário Estatístico do Brasil 2010
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/AEB/AEB2010.pdf

Lei Estadual nº 9.330, de 27 de dezembro de 1995 - Dispõe sobre alterações no Quadro Territorial-Administrativo do Estado
http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1995/lei%20n.9.330,%20de%2027.12.1995.htm

Porto de Santos - A Porta do Comércio do Brasil
http://www.portodesantos.com.br/mercado.php?pagina=02

Secretaria de Portos - Sistema Portuário Nacional
http://www.portosdobrasil.gov.br/sistema-portuario-nacional

Secretaria dos Transportes Metropolitanos - Os Agrupamentos Regionais
http://www.stm.sp.gov.br/index.php/processo-de-criacao-de-municipios/agrupamentos-regionais

SIGRH - Sistema de Informações para o Gerenciamento de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo - Mapa das Regiões Hidrográficas
http://www.sigrh.sp.gov.br/sigrh/index/imagens/vertentes.pdf

Wikipédia - Lista de unidades federativas do Brasil por área
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_unidades_federativas_do_Brasil_por_%C3%A1rea

- Livro: Municípios e Distritos do Estado de São Paulo (publicação do Instituto Geográfico e Cartográfico (IGC) - 1995)
http://www.igc.sp.gov.br/produtos/arquivos/municipios_e_distritos.pdf

- Livro: Municípios do Estado de São Paulo: criação de divisas (publicação do Instituto Geográfico e Cartográfico (IGC)
http://www.igc.sp.gov.br/produtos/arquivos/municipios_sp_divisas.pdf

- Livro: Orientação para Educação Ambiental nas Bacias Hidrográficas do Estado de São Paulo (IMESP)

- Livro: A Identidade de um Rio de Contrastes: O Tietê e seus Múltiplos Usos (IMESP)

 ESPECIAIS DO MÊS
 OUTROS ESPECIAIS
 BIBLIOTECA VIRTUAL

Não encontrou a informação que procurava?

Envie sua mensagem pelo formulário Fale Conosco e receba a informação que deseja.

Acompanhe as notícias da Biblioteca Virtual pelo Twitter

Biblioteca Virtual do Governo do Estado de São Paulo on Facebook

BIBLIOTECA VIRTUAL DO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
Subsecretaria de Comunicação da Casa Civil

Facebook Twitter Google Plus Blog da Biblioteca Virtual YouTube